“Há livros escritos para evitar espaços vazios na estante.”

Carlos Drummond de Andrade  (1902-1987), poeta e escritor

sex
29
ago
2014

O Tribunal Regional Eleitoral da Paraíba (TRE-PB), por meio da juíza Antonieta Maria Maroja Arcoverde Nóbrega, proibiu, nesta quinta-feira (28), a divulgação da pesquisa PB 0018/2014, encomendada pelo Sistema Correio de Comunicação ao Instituto Souza Lopes. A magistrada ainda fixou multa diária de R$ 50 mil em caso de descumprimento de sua decisão.

Essa é a quinta pesquisa Souza Lopes/Sistema Correio suspensa pela Justiça Eleitoral paraibana nestas eleições. Até agora, o instituto foi multado pelo TRE-PB em R$ 212.820 pela realização de consultas irregulares.

A suspensão da nova pesquisa Souza Lopes/Sistema Correio, que seria divulgada nesta sexta-feira (30), foi solicitada pelo candidato a deputado estadual Leandro Wagner Queiroz Barbosa (PPL), da coligação ‘A Força do Trabalho IV’, através do advogado Francisco Ferreira.

“Entre outras irregularidades, essa nova pesquisa tinha um questionário altamente tendencioso, pois excluía os nomes de três candidatos a governador, obrigando o pesquisado a optar apenas entre os candidatos que o instituto quisesse”, explicou o advogado.

“Ao privilegiar uns em detrimentos de outros, houve por parte do instituto uma total afronta ao princípio da isonomia dos candidatos. Esse tipo de consulta não serve para representar a real intenção de voto do eleitor, pois causa grave desequilíbrio ao pleito eleitoral, já que acaba induzindo o eleitor a erro”, completou Francisco Ferreira.

Ascom


  Compartilhe por aí:      Comente

sex
29
ago
2014

O Ibope pode ter minimizado a (má) situação de Aécio Neves no primeiro turno e maximizado a (má) situação de Dilma Rousseff em eventual segundo turno contra Marina Silva

Surpreenderam as manchetes que afirmaram que a mais recente pesquisa feita pelo instituto MDA para a Confederação Nacional dos Transportes teria "confirmado" a pesquisa Ibope. Apesar de as duas pesquisas mostrarem a mesma tendência, não mostraram a mesma coisa.

Contudo, devido à separação cronológica entre as duas pesquisas supracitadas (Ibope foi a campo entre os dias 23 e 25 e MDA entre os dias 23 e 26) e a última pesquisa Datafolha (divulgada no dia 18 de agosto, com campo entre os dias 14 e 15), pode-se amaciar, ao menos no momento, com o instituto de pesquisas da família Frias.

Sobre Ibope e MDA, porém, há diferenças fundamentais entre os quadros que revelam. O Ibope pode ter minimizado a (má) situação de Aécio Neves no primeiro turno e maximizado a (má) situação de Dilma Rousseff em eventual segundo turno contra Marina Silva.

Ibope e MDA pesquisaram intenções de voto ao mesmo tempo – nos dias 23, 24 e 25. Não seria de estranhar, inclusive, que os pesquisadores de campo dos dois institutos tenham esbarrado uns nos outros nas ruas.

A pesquisa Ibope tem margem de erro de 2 pontos percentuais e mostrou Aécio com 19%, Marina com 29% e Dilma com 34%. Em simulação de segundo turno, Marina venceria Dilma por 45 a 36 – 9 pontos de vantagem para a candidata de oposição.

A situação de Aécio, nessa pesquisa, praticamente não mudou em relação ao que o Datafolha retratou 10 dias antes. Pela margem de erro do Ibope, ele não caiu.

Na ponta superior dessa margem, Aécio poderia ter no Ibope os mesmos 21% que no Datafolha. Com Dilma aconteceu o mesmo. Com ajuda da margem de erro, pelo Ibope pode ter os mesmos 36% que teve no Datafolha.

A única divergência real do Ibope para o Datafolha é no segundo turno entre Dilma e Marina. Os 9 pontos de vantagem de Marina no Ibope superam em muito os quatro pontos que lhe deu o Datafolha (47% para Marina e 43% para Dilma).

O grande problema é que a pesquisa MDA mostra situação muito pior para Aécio e razoavelmente melhor para Dilma. Os 19% de Aécio no primeiro turno no Ibope viram 16% no MDA, agora bem distante dos 21% no Datafolha. Porém, o MDA confirma os números de Dilma e Marina no Ibope, dentro da margem de erro de 2,2 pontos.

Já no caso de segundo turno entre Dilma e Marina, os números do MDA diferem bastante em relação aos do Ibope. A pesquisa Ibope sobre segundo turno é bem mais parecida com a do Datafolha, que foi a campo cerca de 10 dias antes.

No melhor cenário do Ibope para Dilma no segundo turno, considerando a margem de erro ela poderia chegar a 38% e Marina a 43% – com vantagem de 5 pontos percentuais para a pesssebista. Já no MDA, no melhor cenário para Dilma ela pode ter 40% e Marina, 41,5% – uma vantagem (fora da margem de erro) de apenas 1,5% para Marina.

O mais interessante na comparação das pesquisas Ibope e MDA é que foram feitas simultaneamente e concordam em alguns resultados e divergem em outros. Algum dos dois institutos errou feio na pontuação de Aécio no primeiro turno e nas de Marina e Dilma no segundo, mas ambos concordaram na pontuação de Dilma e Marina no primeiro turno.

Outro ponto em que o MDA diferiu do Ibope e do Datafolha foi na simulação de segundo turno entre Aécio e Marina. À diferença desses dois, que não pesquisaram esse cenário e não explicam por que, o MDA fez a simulação e mostrou que a derrota de Aécio seria acachapante – 48,8% para Marina e 25,2% para ele.

Na quarta-feira, este Blog questionou por que Ibope e Datafolha não fizeram simulações de segundo turno entre Marina e Aécio. O MDA deu a resposta.

Infelizmente, essa aparente manipulação de pesquisas ficou muito mais fácil de ser feita em 2014 do que em 2010. Há quatro anos, Ibope e Datafolha davam números mais favoráveis a José Serra e Sensus e Vox Populi davam números mais favoráveis a Dilma.

Em maio de 2010, Sensus e Vox Populi diziam que Dilma estava empatada com Serra e Ibope e Datafolha chegaram a dar 12 pontos de vantagem para o tucano. Com isso, este Blog, através do Movimento dos Sem Mídia, representou à Justiça Eleitoral e Ibope e Datafolha tiveram que convergir para os números de Sensus e Vox Populi, pois foi aberta uma investigação contra os quatro institutos na Polícia Federal.

Em 2014, como o Vox Populi praticamente só está fazendo pesquisas privadas para o PT, os outros institutos, todos alinhados ao PSDB, estão fazendo a festa. O Sensus, que em 2010 era mais favorável ao PT, este ano faz pesquisas privadas para o PSDB. E Ibope e Datafolha continuam tucanos.

Segundo informações de fonte do PT, o quadro real seria Aécio fora do jogo e Marina e Dilma praticamente empatadas (tecnicamente) no segundo turno. Dilma, portanto, está no jogo e com fortes chances de vencer a eleição devido à melhor estrutura de campanha, tempo de televisão e palanques mais sólidos, ainda que, em questão de alianças e financiamento de campanha, Marina deva melhorar devido aos seus bons resultados nas pesquisas.

Por fim, vale a reflexão de que a morte de Eduardo Campos foi péssima para Dilma e Aécio e caiu do céu para Marina. Era, inclusive, previsível. Como tem sido lembrado fartamente, Marina já tinha mais ou menos esse percentual de hoje, em primeiro turno, no fim do ano passado.

Só o que não estão lembrando é que Marina Silva chegou a 26% no Datafolha e 22% no Ibope em agosto de 2013, mas em setembro, no Ibope, caiu para 16% – o Datafolha deixou de pesquisar intenções de voto de Marina em agosto.

Como foi dito várias vezes aqui neste Blog, portanto, Marina, no primeiro turno, é problema de Aécio. O segundo turno é outra história e mesmo nas projeções que se faz de segundo turno, apesar de Marina estar com leve vantagem sobre Dilma ainda é cedo para cantar vitória.

Eduardo Guimarães

EDUARDO GUIMARÃES


  Compartilhe por aí:      Comente

sex
29
ago
2014

Candidato a governador  pelo PSDB, o senador Cássio Cunha Lima participou, no final da manhã desta quinta-feira (28), do 2º Seminário Estadual dos Agentes Comunitários de Saúde, no Convento dos Maristas, em Lagoa Seca. O evento foi organizado pelo SINDACS, o sindicato da categoria, e contou com a participação de coordenadores e diretores de todo o Estado. Na oportunidade, Cássio revelou um de seus planos, caso eleito: transformar o Cefor-PB (Centro Formador de Recursos Humanos) em uma Escola Estadual de Saúde Pública, oferecendo curso técnico e suporte de qualificação e ensino para os ACSs em todas as regiões do Estado.

É perfeitamente possível transformar o Cefor numa escola estadual. E para isso contaremos com a UEPB (Universidade Estadual da Paraíba), onde através das parcerias, estenderemos esse suporte. A população será a grande beneficiada com a qualificação dos ACSs – comentou Cássio.

Durante cerca de uma hora, na companhia do candidato a 1º suplente de senador da Coligação A Vontade do Povo, Luciano Agra (PEN), Cássio expôs seu plano de governo e debateu com os participantes sobre pontos fundamentais da administração estadual, como educação e segurança, além da saúde, pauta principal do seminário.

E sobre a Saúde, mais uma vez, Cássio ouviu queixas relacionadas à pasta. Em uma das intervenções, a agente Maria José, que atua no Brejo paraibano, relatou o caso de uma criança acidentada nas proximidades do Hospital Regional de Mamanguape.

- Uma criança com fratura exposta e, depois de uma hora, ninguém do hospital foi lá para socorrê-la. Aí uma estrutura daquela, tudo aparentemente muito bonito, mas casos simples eles encaminham para a UPA (Unidade de Pronto Atendimento) de Guarabira. É um absurdo – reclamou a profissional de saúde.

Para Emanuel Rodrigues, conhecido como Nequinho, agente de saúde de Princesa Isabel, a participação do senador no seminário foi fundamental, "porque a gente além de conhecer mais as propostas, sente a sinceridade nas suas palavras".

- Os agentes comunitários representam a base da pirâmide do SUS (Sistema Único de Saúde) e um dos meus compromissos com eles é fortalecer as parcerias com os municípios, porque eles trabalham vinculados às prefeituras. Nós queremos também buscar a luta mais global da saúde, que é o combate ao sub-financiamento, além da melhoria da gestão com a incorporação dos princípios de humanização, de capacidade de resolução do problemas – arrematou Cássio.

Assessoria


  Compartilhe por aí:      Comente

sex
29
ago
2014

O Ministério da Educação (MEC) começou nesta semana uma consulta aos estados, ao Distrito Federal e aos municípios para coletar informações para a construção de uma base nacional comum curricular. A questão é demanda antiga de professores e de entidades ligadas à educação. Com uma base comum haverá uma definição do que é preciso aprender em cada etapa de ensino.

Segundo o MEC, a consulta teve início por meio de comunicado enviado a cada secretário de Educação dos estados e do Distrito Federal e também a cada uma das representações estaduais da União dos Dirigentes Municipais de Educação (Undime). Com as informações, será produzido um estudo que vai subsidiar as discussões em torno da base nacional comum curricular.

Os dirigentes podem acessar o Sistema Integrado de Monitoramento, Execução e Controle (Simec) do MEC e responder ao questionário sobre as três etapas da educação básica – infantil, ensino fundamental e ensino médio – no módulo relativo ao Plano de Ações Articuladas (PAR).

As questões são sobre os documentos e as normas curriculares produzidas pelos sistemas de educação a partir de 2010, quando foram publicadas as novas diretrizes nacionais. Além das perguntas, os dirigentes poderão enviar documentos digitais com as normativas e propostas curriculares dos respectivos sistemas.

A pasta informou que a Diretoria de Currículos e Educação Integral da Secretaria de Educação Básica (SEB) também está fazendo reuniões com especialistas de universidades e professores da educação básica das diferentes áreas do conhecimento para auxiliar no debate nacional sobre a base nacional curricular.

Agência Brasil


  Compartilhe por aí:      Comente

qui
28
ago
2014

FOTO VITAL - SITE OFICIAL DO CANDIDATO

O candidato do PMDB a governador da Paraíba,  senador Vital do Rego Filho, deve visitar Princesa Isabel ainda na primeira quinzena de setembro.

Segundo uma fonte peemedebista local, a agenda de campanha do candidato não prevê comício e ficará limitada a contatos com as bases partidárias.


  Compartilhe por aí:      Comente

qui
28
ago
2014

Comércio em São Paulo 

O Brasil tem uma população de 202.768.562 habitantes, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), publicados ontem (28) no Diário Oficial da União. O estado mais populoso, São Paulo, tem 44,03 milhões de habitantes. Já no estado menos populoso, Roraima, vivem 496,9 mil pessoas.

Os dados do IBGE são estimativas de população no dia 1º de julho de 2014. Além de São Paulo, cinco estados têm mais de 10 milhões de habitantes: Minas Gerais (20,73 milhões), Rio de Janeiro (16,46 milhões), Bahia (15,13 milhões), Rio Grande do Sul (11,21 milhões) e Paraná (11,08 milhões).

Na lista dos lista de unidades da federação com mais de 5 milhões de pessoas, estão seis estados: Pernambuco (9,28 milhões), Ceará (8,84 milhões), Pará (8,08 milhões), Maranhão (6,85 milhões), Santa Catarina (6,73 milhões) e Goiás (6,52 milhões).

Apenas dois estados têm menos de 1 milhão de habitantes, além de Roraima: Amapá (750,9 mil) e Acre (790,1 mil).

As demais unidades federativas têm as seguintes populações: Paraíba (3,94 milhões), Espírito Santo (3,88 milhões), Amazonas (3,87 milhões), Rio Grande do Norte (3,41 milhões), Alagoas (3,32 milhões), Piauí (3,19 milhões), Mato Grosso (3,22 milhões), Distrito Federal (2,85 milhões), Mato Grosso do Sul (2,62 milhões), Sergipe (2,22 milhões), Rondônia (1,75 milhão) e Tocantins (1,5 milhão).

EBC


  Compartilhe por aí:      Comente

qui
28
ago
2014

A partir de 1º de janeiro de 2015, o salário mínimo deve ser R$ 788,06, segundo o Projeto de Lei Orçamentária Anual (Ploa) 2015. Um reajuste de 8,8%. O anúncio foi feito hoje (29) pela ministra do Planejamento, Miriam Belchior, depois de entregar a proposta ao presidente o Congresso, Renan Calheiros (PMDB-AL). A ministra antecipou que o texto prioriza investimentos em saúde, educação combate à pobreza e infraestrutura.

A peça orçamentária traz uma mensagem da presidenta Dilma Rousseff com um diagnóstico sobre a situação econômica do país e suas perspectivas.

Pela Constituição, o prazo de entrega do projeto pelo Executivo termina no dia 31 de agosto. Mas, com a expectativa de conclusão da votação da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO), que define as metas e prioridades da administração pública federal, só na semana que vem, durante o esforço concentrado, o governo se antecipou. A LDO deveria orientar a elaboração da peça orçamentária.

Agência Brasil


  Compartilhe por aí:      Comente

qui
28
ago
2014

Com o governador Ricardo Coutinho (PSB), a educação na Paraíba passou de ano. Destaque no guia eleitoral exibido na noite desta quarta-feira (27) do candidato da coligação ‘A Força do Trabalho’, a educação paraibana contou com investimentos de quase meio bilhão de reais em três anos e meio de gestão, passando pela contratação de 6 mil profissionais para a o setor, reforma ou ampliação de 352 escolas, construção de sete escolas técnicas e criação do 13º e 14º salários para os professores estaduais.

“Quando assumi o governo, encontrei um cenário desolador na educação. As escolas eram cabides de emprego, sem estrutura para professores e alunos. Encontramos um caso onde a escola só tinha a diretora e um aluno, que era seu marido. Organizei e criei mais de 100 mil novas vagas nas escolas. Na Paraíba, quem quer estudar tem vaga na rede estadual”, garantiu o governador.

A lista de investimentos é enorme. Em três anos e meio, Ricardo construiu 775 novas salas de aula, entregou 61 mil tablets e 17 mil netbooks para alunos e professores. Em 2010, a Paraíba não tinha nenhuma escola de Ensino Médio em tempo integral, e hoje tem 49, além das 445 escolas de ensino fundamental em tempo integral. Foram criados ainda 560 laboratórios de matemática, robótica e básicos.

Ao contrário da gestão do candidato do PSDB, que não entregou um só ônibus, Ricardo comprou 585 novos e distribuiu para os municípios da Paraíba. Agora, as crianças vão para a escola com ônibus e com segurança.

A agricultora Maria Petrúcia lembra com sofrimento as dificuldades enfrentadas por seus filhos para chegar até a escola antes da gestão de Ricardo Coutinho. “Esse povo que botava, por exemplo, o meu filho, pra viajar em cima de um pau de arara, eles não pensam no filho da gente. A gente vê a hora de acontecer uma tragédia, ninguém estava seguro”, relembra.

O estudante Anderson Nóbrega, filho de Petrúcia, lembrou que ir para a escola na gestão do PSDB era uma ‘aventura’, e que não havia a sensação de segurança. “A partir do momento em que Ricardo entrou no governo, já sentimos a diferença. Ele trouxe ônibus de qualidade, estradas de qualidade. Agora chegamos seguros, limpinho principalmente, o que minha mãe adora”, brincou o jovem.

Assessoria


  Compartilhe por aí:      Comente

Página 1 de 7711234-102030-Última