“Eu declaro afinal que não existe um prazer igual à leitura! É mais rápido se cansar de qualquer coisa do que de um livro! Quando eu tiver minha própria casa, eu serei infeliz se eu não tiver uma excelente biblioteca”.

Jane Austen  (1775-1817), romancista inglesa

ter
21
out
2014

O vice-prefeito de Teixeira, Deci Queiroz (PMDB), esteve na tarde desta segunda com o candidato a governador pela Coligação A Vontade do Povo, Cássio Cunha Lima. Na audiência, Deci comunicou uma decisão tomada em conjunto com suas bases: a partir de agora, engajado na sua eleição.

Além do vice-prefeito Deci, quem esteve também com Cássio foi o vereador Carlos de Teína, presidente do PMDB local e que votou no primeiro turno, a exemplo do vice-prefeito, no candidato do PMDB, Vital do Rêgo.

Por não concordarem com a decisão da cúpula partidária pelo apoio ao atual governador, quando ambos declararam ser difícil votar em Ricardo Coutinho por causa das promessas não cumpridas com o município de Teixeira, as duas lideranças políticas declaram apoio para Cássio.

“Com Cássio, a Paraíba tem certeza de que teremos um governante que trabalha e respeita o povo, ao contrário do atual governador, que insiste em fazer promessas e não cumprir”, destacou o prefeito.

Segundo o vereador Carlos de Teína, o compromisso de Cássio com o município diz respeito, essencialmente, à solução para uma grave falta de água que atinge Teixeira, principalmente nas comunidades de Vila Feliz e Pedra do Galo e que o atual governador sempre ignorou as solicitações.    Já  vice prefeito Deci, declarou que o apoio dele soma-se agora ao do prefeito Nego de Guri, tendo a certeza que a vitória de mais de mil votos de vantagem alcançada no primeiro turno na cidade será ampliada a partir de agora com a união de todos em prol da candidatura de Cássio.

Blog do Tião Lucena


  Compartilhe por aí:      Comente

ter
21
out
2014

O ex-prefeito de Mogeiro, Zé Paulo (PMDB), e o vereador Paulo José (PSB) aderiram nesta segunda-feira (20) ao projeto de reeleição do governador Ricardo Coutinho (PSDB). No primeiro turno, eles apoiaram a candidatura do PSDB ao Governo do Estado.

O anúncio das adesões ocorreu no final desta tarde, em João Pessoa, durante encontro entre as duas lideranças políticas de Mogeiro e o jornalista Célio Alves, coordenador geral da campanha de reeleição do governador Ricardo Coutinho.

“Por questões locais, no primeiro turno, apoiamos o candidato do PSDB, mas agora neste segundo turno, em reconhecimento ao trabalho desenvolvido pelo governador na nossa cidade e região, optamos pelo melhor caminho para a Paraíba. Ricardo, certamente, fará um segundo mandato muito melhor do que o primeiro”, destacou Zé Paulo, que também já foi vereador e vice-prefeito de Mogeiro.

Já o vereador Paulo José fez questão de destacar o principal investimento da gestão de Ricardo: o canal Acauã-Araçagi, obra de quase R$ 1 bilhão, que garantirá a segurança hídrica de 631 mil paraibanos de nove municípios, entre os quais, Mogeiro.

“Ricardo também está contemplando a nossa cidade com a construção de unidades habitacionais, a instalação de cisternas nas zona rural, a entrega de um ônibus escolar, a doação de uma ambulância e a aquisição de equipamentos médicos para o hospital municipal”, enfatizou o vereador.

Portal Araruna Online


  Compartilhe por aí:      Comente

ter
21
out
2014

A primeira descoberta do gênero havia sido registrada em 1802. O objetivo de Edison era substituir o gás, principal meio de iluminação no fim do século 17.

A luz elétrica, uma das comodidades que mais beneficiaram a vida das pessoas, não foi inventada em 1879 pelo norte-americano Thomas Edison, como se acreditou por muito tempo. Na verdade, alguns historiadores sustentam que houve mais de 20 inventores que tentaram bem antes. Por 7 décadas foram criados outros tipos de lâmpadas, mas nenhum modelo que tivesse alcance comercial.

Assim como outros inventores, Edison achava que o filamento eletrificado precisaria ficar isolado, dentro de um bulbo de vidro. Levou mais de um ano para que ele e sua equipe testassem filamentos de vários materiais, até chegarem ao fio de algodão carbonizado. E, finalmente, quando foi acesa em 21 de outubro de 1879, a lâmpada brilhou por 45 horas seguidas.

EBC


  Compartilhe por aí:      Comente

ter
21
out
2014

O governador Ricardo Coutinho (PSB), candidato à reeleição pela coligação A Força do Trabalho, recebeu mais três apoios importantes na cidade de Poço de José de Moura, localizada no Sertão paraibano.

O presidente da Câmara Municipal, Chico Canuto (PTB), o vereador Joaquim Paulo (PP) e o suplente Jailson Batista (PTB), que votaram no candidato do PSDB no primeiro turno, aderiram nesta segunda-feira (20) à campanha do socialista.

Intermediada pelo ex-prefeito de Cajazeiras, Carlos Antônio (DEM), coordenador da campanha de Ricardo na região, as novas adesões ao projeto de reeleição do governador foram articuladas, em conjunto, pelas forças de situação na cidade, liderada pela prefeita Aurileide Moura (DEM), e de oposição, que tem à frente o vereador Geraldinho (PTB).

Os vereadores que anunciaram adesão a Ricardo disseram que pesou na decisão as obras que o governo socialista entregou na região, como a PB-393, que retirou Poço de José de Moura do isolamento. No primeiro, o governador venceu a eleição na cidade com 57,74% dos votos.

Assessoria


  Compartilhe por aí:      Comente

ter
21
out
2014

“Foi a maior correria na Confeitaria Glória, ninguém quis ficar pra testemunha. Teve nego que saiu sem pagar”

Sitônio PintoOtávio Sitônio

Existe uma recomendação para não se escrever sobre esta eleição n’A União. Sábia recomendação, pois um governador já morreu por mau uso do jornal do Estado num ano de eleições. Outro foi cassado, mais recentemente. Um morreu em 1930. Você não é desse tempo? Eu sou. O governador tinha a patente de presidente. O jornal vinha esculhambando com algumas famílias da Paraíba. Detratou a mais não poder a família do advogado João Duarte Dantas. Não poupou nem sua namorada, a professora e poeta Anayde Beiriz. Aí o Doutor João Dantas detonou o presidente João Pessoa, quando este foi ao Recife:

- João Pessoa, eu sou João Dantas, a quem tanto humilhastes!

Pôu, pôu, pôu. Foi a maior correria na Confeitaria Glória, ninguém quis ficar pra testemunha. Teve nego que saiu sem pagar. Levaram o presidente para uma farmácia das redondezas. Morreu no balcão. O presidente perdera a eleição para presidente da República, em que fora candidato a vice na chapa do Doutor Getúlio. Deram um golpe de estado por conta dessa morte, o Golpe de Trinta, que durou até 1945. Foi a primeira ditadura que o Brasil sofreu. Desaguou noutra pior, o Estado Novo. Eu vi tudo.

A família Dantas deu a moléstia com o ato do Doutor João Dantas, pois o Doutor João Pessoa já estava liquidado politicamente, perdera a eleição e não se falava mais nesse assunto. Mas sua morte violenta ressuscitou-o politicamente, e ao movimento do qual fizera parte, a Aliança Liberal. Haja golpe. Mudaram até o nome da Capital. Os Dantas não se conformam com o gesto do Doutor Dantas, pode crer. Pergunte a eles. Se não fosse João, – dizem os Dantas, – o Doutor João Pessoa teria passado como passou Solon de Lucena ou qualquer presidente de seu tempo.

Silveira Dantas, líder da família, teria dito: “porque ele fez isso, um rapaz de futuro! Tivesse me dito que ia fazer, eu tinha quem fizesse!” E chorou, os Dantas não choram, só em Trinta. Doutor João Dantas tinha futuro, Doutor José Américo considerava-o como o maior advogado de seu tempo, era seu sócio na banca que mantinha com o Doutor João da Mata. Pense nos três. “No júri não era brilhante, mas nas razões era imbatível”, disse o Doutor José Américo nas suas memórias. Mas o Doutor João Dantas era bravo que só, já não se fazem mais doutores como aquele. Pôu, pôu, pôu.

Balearam e prenderam o Doutor João Dantas, e o sangraram na prisão, com seu cunhado, o Doutor Augusto Caldas. Haviam armado a fuga dos doutores, tinham amigos no governo de Pernambuco, mas o Doutor João Dantas não quis, queria ir a júri. Não quis nem o recurso do habeas corpus, queria ficar preso e ir a júri mesmo. Mas não julgaram o Doutor, sangraram os prisioneiros.

Tudo isso por causa d’A União. Eu, hein. Estava próximo, não me impliquem. Deram um golpe, botaram o presidente da República abaixo, Doutor Washington Luís, impediram a posse do presidente eleito, Doutor Júlio Prestes. A situação durou até 1945, quando a Segunda Guerra Mundial terminou. Doutor Getúlio era germanófilo.

Desta vez, não deixaram A União entrar na briga. Fizeram bem, A União é um jornal de Estado, não de governo; não deve se envolver em lutas políticas. Tá vendo no que deu o abuso do jornal em Trinta? No golpe e na ditadura de 1930-1945. Getúlio copiou Mussolini, com licença da má palavra, o outro também, o da Espanha idem, o de Portugal ibidem. Era o padrão de ditador. Será que A União teve alguma coisa a ver? É bom não se envolver em brigas de brancos, a História se repete.

*Jornalista, escritor, poeta, ensaísta, publicitário e membro do Instituto Histórico e Geográfico Paraibano, da Academia Paraibana de Letras e da Academia de Letras e Artes do Nordeste.


  Compartilhe por aí:      Comente

ter
21
out
2014

O ex-presidente Severino Paiva, da Câmara Municipal de João Pessoa, conhecido como Professor Paiva, garantiu empenho total neste segundo turno para eleger o senador Cássio Cunha Lima (PSDB), candidato ao Governo do Estado, pela Coligação “A Vontade do Povo”. Segundo ele, Cássio representa a esperança de acabar de vez com as más práticas políticas e a perseguição imposta pelo governador Ricardo Coutinho (PSB), que pleiteia à reeleição.

- Estamos trabalhando com afinco para ajudar na eleição de Cássio. Ele é o mais preparado para gerir o Estado e o único capaz de derrotar esse perseguidor que está governando a Paraíba. Estou fazendo minha parte para ajudá-lo – disse Paiva.

Com bases em vários bairros da Capital paraibana, Professor Paiva está trabalhando para garantir a Cássio uma votação ainda mais expressiva neste segundo turno. No pleito inicial, dos 965.397 obtidos pelo tucano na Paraíba, 135.977 foram só em João Pessoa.

- A população de João Pessoa já percebeu que Cássio é o candidato com melhores propostas e tenho certeza que ele terá uma votação ainda mais expressiva no segundo turno – garantiu.

Assessoria


  Compartilhe por aí:      Comente

seg
20
out
2014

Candidato a deputado estadual pelo PSOL nas eleições de 2014, Dr. Rivaldo disse ao Blog nesta segunda-feira (20) que deve anunciar nas próximas horas sua postura em relação ao segundo turno da eleição estadual.

Ele afirmou que a decisão será tomada “levando em conta, principalmente, o contexto estadual.”


  Compartilhe por aí:      Comente

Página 1 de 9501234-102030-Última