dom
31
out
2021

fila_desemprego-1

Nos últimos 12 meses os preços dos produtos mais consumidos pelos mais pobres, os alimentos, subiram cerca de 20% e quase 40% desde o início da pandemia. A inflação oficial está um pouco acima de 10%.

Enquanto isso, o desemprego dispara na parte mais pobre do país. Dados revelados em reportagem da Folha de S.Paulo apontam que durante a pandemia o desemprego subiu 8,5 pontos percentuais para a parcela mais pobre da população.

Esses dois fatores reunidos – alta dos preços dos alimentos e desemprego – acarretam uma queda aguda do poder aquisitivo dos mais pobres, com o aumento da fome e da miséria no Brasil.

Nos últimos 12 meses, período em que os alimentos dispararam 20%, a renda real familiar per capita do trabalho na metade mais pobre despencou 18%, de R$ 210 mensais para R$ 172.

De acordo com a FGV Social, citada pela Folha, 27,4 milhões de brasileiros (13% da população) vivem hoje com menos de R$ 261 ao mês —a maior taxa de miseráveis em uma década.

Brasil 247


  Compartilhe por aí: Comente

Deixe um comentário

avatar
  Inscreva-se  
Notificar quando


Ir para a home do site
© TODOS OS DIREITOS RESERVADOS. É PROIBIDA A REPRODUÇAO PARCIAL OU TOTAL DESTE SITE SEM PRÉVIA AUTORIZAÇAO.
Desenvolvido por HotFix.com.br