dom
28
nov
2021

jornalistas_protesto
Jornalistas protestam por aumento diante da sede da Folha (Foto: Eduardo Viné/SJSP)

O jornalista José Henrique Mariante, ombudsman da Folha de S. Paulo, publica coluna neste domingo sobre um tema inconveniente para as grandes empresas de comunicação: a insustentabilidade dos jornais impressos. O mote foi o fim da circulação do jornal popular Agora São Paulo. "É o fim também de uma longa trajetória de periódicos populares em São Paulo. Notícias Populares, Jornal da Tarde, Diário Popular, depois Diário de São Paulo, Folha da Tarde, depois Agora", escreve Mariante.

"O Agora, no entanto, acaba antes de seu público. A explicação fácil é a internet. O modelo de jornal impresso não se sustenta, e o desta Folha, se a leitura ainda é feita com o papel sujando as mãos, também parece com os dias contados. É um fenômeno mundial, dramático em países de grande população leitora. Impressiona a quantidade de pequenos diários, alguns centenários, que fecham nos EUA, provocando os chamados desertos de notícias. As consequências para essas regiões são graves, indo de um menor controle da atuação dos agentes públicos locais à maior disseminação de notícias falsas. Estudos sobre o problema vêm sendo realizados. Até redes sociais se mostram preocupadas, bancando projetos de mitigação", prossegue.

"Nada disso seria um problema se a transição do impresso para o eletrônico fosse um caminho tranquilo, uma mudança de cultura a ser apreendida pela Redação e disposta em etapas para o público. Só que ela está mais para revolução, das sangrentas, com desafios diferentes a cada esquina. Conteúdo brota nas telas a partir de gente sem qualificação jornalística assim como de pessoal bem preparado e a soldo de agências de publicidade, empresas, bancos de investimentos e outros. Redes sociais mudam as regras do jogo constantemente. Departamentos de TI, fundamentais nesses novos ambientes, consomem orçamentos que já são limitados. A lista só faz crescer", avalia. "Nessa grande confusão, uma das poucas vantagens de jornais como a Folha é ter uma marca reconhecida, baseada em um modo profissional de fazer jornalismo. O risco é ver tudo isso se perder junto com o obrigatório descarte do supérfluo, como um dia o impresso será tratado. Ampliando a metáfora aquática, quando jogarmos o bebê fora junto com a água da bacia. Não volta."

Brasil 247


  Compartilhe por aí: Comente

Deixe um comentário

avatar
  Inscreva-se  
Notificar quando


Ir para a home do site
© TODOS OS DIREITOS RESERVADOS. É PROIBIDA A REPRODUÇAO PARCIAL OU TOTAL DESTE SITE SEM PRÉVIA AUTORIZAÇAO.
Desenvolvido por HotFix.com.br