qui
07
mar
2019

marco_aurélio-Agência Brasil

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Marco Aurélio Mello avalia como um absurdo que os R$ 2,5 bilhões, resultantes de um acordo entre a Petrobrás, autoridades norte-americanas e membros da chamada República de Curitiba, sejam destinados a uma fundação gerida pelos procuradores da Lava Jato voltada para a promoção de políticas e iniciativas contra a corrupção. Para o ministro, a destinação do recurso é ilegal e cria uma espécie de super órgão que terá o seu controle fiscal e financeiro inviabilizado. "É a Babel", resumiu Marco Aurélio.

"Como de há muito venho sustentando na bancada do Supremo, órgão público vive apenas do que previsto no orçamento aprovado pelo legislativo. A mesclagem do público com o privado não interessa ao Estado, não interessa à sociedade. É pernicioso fazendo surgir ‘super órgãos’, inviabilizando o controle fiscal financeiro. É a perda de parâmetros, é o descontrole, é a bagunça administrativa. É a Babel", disse Marco Aurélio ao blog do jornalista Tales Faria.

O montante destinado a Fundação da Lava jato foi depositado no início de janeiro e representa 80% de tudo que a Petrobrás terá que devolver aos cofres dos Estados Unidos em decorrência das irregularidades encontradas ao longo da operação e corresponde a mais de 60% do orçamento de todo o Ministério Público Federal (MPF) para o exercício financeiro deste mês. Em um documento obtido pelo site Nocaute, porém, o INL – International Narcotics and Law Enforcement –, aponta que os EUA pretendem estimular uma reforma no Judiciário brasileira, promovendo uma interferência clara nos assuntos internos do Brasil.

Brasil 247


  Compartilhe por aí: Comente

Deixe um comentário

avatar
  Inscreva-se  
Notificar quando


Ir para a home do site
© TODOS OS DIREITOS RESERVADOS. É PROIBIDA A REPRODUÇAO PARCIAL OU TOTAL DESTE SITE SEM PRÉVIA AUTORIZAÇAO.
Desenvolvido por HotFix.com.br