dom
15
set
2019

Criança internada na UTI do Hospital de Trauma assiste espetáculo circense

Atendendo as diretrizes de humanização da saúde pública brasileira, o Hospital Estadual de Emergência e Trauma Senador Humberto Lucena, em João Pessoa, ofereceu na quinta-feira (12) atividade lúdica para uma criança internada há dois anos em uma Unidade de Terapia Intensiva (UTI). O paciente, de quatro anos de idade, recebeu oportunidade de sair do leito para assistir um espetáculo circense dos palhaços Patati e Patatá.

O paciente, a avó materna, a irmã e uma equipe multidisciplinar formada por mais de 10 profissionais participaram da atividade. “A saída do nosso pequeno herói do leito da UTI para assistir ao espetáculo foi muito especial para ele e muito mais para todos que puderam fazer parte desta lembrança. A equipe multidisciplinar colaborou de forma decisiva para tudo isso se concretizar e isso nos traz uma felicidade imensa. Sonhamos, acreditamos e lutamos para que este momento acontecesse”, explicou o diretor geral do hospital, Leonardo Leite.

Leonardo Leite esclareceu ainda que todas as precauções necessárias foram tomadas para o pequeno paciente deixar o leito. “Planejamos tudo com bastante cuidado. Pensamos em cada detalhe da saída dele, tendo em vista que a oportunidade foi única, mas em nenhum momento deixamos de lado os cuidados prioritários com o nosso garotinho”, frisou.

A pediatra da instituição, Carol Falcão, que acompanhou de perto todos os passos do paciente, antes, durante e pós o espetáculo, acredita que o processo de humanização pode ser o mais forte dos remédios. “O dia de hoje foi muito esperado, pois sempre tínhamos o desejo de retirar ele do leito e levá-lo para conhecer o que está ao seu redor. Hoje conseguimos concretizar esse sonho, então percebemos que tudo vale a pena para arrancar esse belíssimo sorriso deste pequeno sonhador”, explicou.

Rosilene Martins, avó da criança, destacou que esse dia vai ficar guardado na sua lembrança para todo sempre. “Não tenho nem palavras para agradecer tudo o que as pessoas que trabalham neste hospital fazem pelo meu neto. É uma felicidade sem fim saber que ele, mesmo com tantas dificuldades, está aqui vivo, feliz e participando desta diversão”, ressaltou.

A fisioterapeuta Josiana Avelar destacou que o adoecimento de uma pessoa e sua internação na UTI também implica numa modificação da dinâmica familiar, por isso a equipe do hospital participa bastante da vida do paciente. “O impacto dos aspectos envolvidos no tratamento do paciente grave e tudo que faz parte deste cuidado causam influência na equipe cuidadora e faz com que laços emocionais sejam criados. Nós temos esse paciente como um filho e vê-lo feliz assim nos emociona bastante”, finalizou.

Secom-PB


  Compartilhe por aí: Comente

Deixe um comentário

avatar
  Inscreva-se  
Notificar quando


Ir para a home do site
© TODOS OS DIREITOS RESERVADOS. É PROIBIDA A REPRODUÇAO PARCIAL OU TOTAL DESTE SITE SEM PRÉVIA AUTORIZAÇAO.
Desenvolvido por HotFix.com.br