qua
27
nov
2019

LUTO NA CULTURA PARAIBANA

José Enoch

Faleceu na manhã quarta-feira (27), o bailarino e professor, José Enoch, aos 88 anos. O artista lutava contra um câncer e estava internado no Hospital Napoleão Laureano, em João Pessoa.

Ainda não foi definido onde será o velório e o sepultamento do corpo de Enoch.

Formado pelo Balé Clássic – Teatro Municipal do Rio de Janeiro e American Ballet Graham, Estados Unidos da América. Foi o primeiro bailarino brasileiro a se apresentar no “Teatro Royal”, na Broadway, em Nova Iorque e no rádio “City Music Hall”.  Foi Integrante do quadro da companhia brasiliana – ballet hispano brasileiro, no Rio de Janeiro, e participou do corpo de ballet da TV Globo durante quatro anos.

Em 2007 recebeu da Câmara Municipal de João Pessoa o Título de Cidadão Pessoense.

José Enoch Ramos  mudou-se com os seus pais em 1960, para Petrópolis-RJ, iniciou os estudos no Colégio Carlos Erneck, e no Balé Clássico do Teatro do Rio de Janeiro-RJ. Deu os seus primeiros passos de dança, aos 10 anos de idade, em palcos improvisados da escola e festas populares.

O artista recorda que enfrentou muito preconceito por causa da escolha, principalmente dentro de casa, pois sua mãe era tecelã e seu  pai era militar, e jamais aceitaria ter um filho bailarino “Naquela época o preconceito era muito grande”, desabafa José Enoch.

Tempos depois seguiu para os Estados Unidos e continuou seus estudos no American Ballet Graham e participou  de vários shows, e  não demorou muito, ficou reconhecido pelos americanos e  na Europa.

Considerado por muitos críticos internacionais, o artista mais versátil da década de 1960,  e ganhando a proporção de ser o paraibano com maior projeção que a dança da paraíba já teve. Em 1968, José Enoch foi o primeiro bailarino a se apresentar no renomado Teatro Royal, na Broadway, em Nova Iorque, e no Rádio City Music Hall. Dançou em Barcelona e em Paris. O nome do bailarino paraibano ultrapassou as fronteiras, chegou a dançar em mais de 40 países.

Em 1970, retornou ao Brasil e  trabalhou em Brasília e no Rio de Janeiro. Tempos depois retornou a Paraíba, dedicou-se ao ensino da dança e  abriu sua própria escola de dança na capital paraibana, o Ballet Studio José Enoch; que oportunizou a criação dos grupos Contratempo e Sem Censura Cia. de Dança, na década de 1980.

A sua escola de dança é um espaço de formação no ensino de Jazz dançe e dança flamenca na  cidade de João Pessoa, e colabora com a difusão do balé clássico.

José Enoch declara que  “O objetivo é que a dança seja um prazer, como um bem que você faz a seu próprio corpo e mente, e não desanimando diante dos obstáculos”.

Paraiba.com.br com Paraíba Criativa


  Compartilhe por aí: Comente

Deixe um comentário

avatar
  Inscreva-se  
Notificar quando


Ir para a home do site
© TODOS OS DIREITOS RESERVADOS. É PROIBIDA A REPRODUÇAO PARCIAL OU TOTAL DESTE SITE SEM PRÉVIA AUTORIZAÇAO.
Desenvolvido por HotFix.com.br