qui
27
set
2018

Dona Joanita

Eu lembro o seu porte elegante, seu rosto austero, o jeito de olhar. Quando passava, todos se curvavam respeitosamente, como se estivessem perfilados diante de uma autoridade. Impunha respeito sem impor antipatia, a autoridade vinha do berço, do sangue, da valentia de guerras lutadas, de lutas travadas e de enfrentamentos que, embora deixassem sequelas, jamais lhe tiraram o orgulho de ser Pereira Cardoso da gema.

No meu tempo, já era uma senhora, bem casada e mãe de filhos crescidos. Eu menino, olhava seus passos seguros pela Rua Grande de Princesa e quedava-me em silêncio, o silêncio ditado pela admiração e pelo respeito que se dão sem que seja preciso pedir.

Dona Joanita Cardoso fazia parte daquele retrato que trago comigo, daquela rua de casas centenárias da minha infância, da sua própria casa a abrigar o velhinho elegante, de suspensórios e gravata, sapatos impecavelmente limpos e uma cabeleira alva como o algodão que seu vizinho, Eije Kumamoto, comprava dos agricultores e mandava para as usinas.

O bom velhinho, Seu Gastão.

E pensar que aquela mulher de olhar às vezes duro, era também uma artista, excelente compositora, autora de famosos e eternizados jingles cantados nas inesquecíveis campanhas políticas de nossa terra!

Hoje ela morreu, aos 98 anos foi ao encontro do homem que escolheu para dividir seus segredos e sua vida, Miguel Rodrigues, Seu Miguel de Nequinho como o chamávamos.

Deixou filhos, netos e bisnetos. E deixou a marca de ter sido a primeira e única mulher, pelo menos até agora, a governar os destinos da terra natal.

A imagem da Rua Grande segue desfalcada, desfigurada e cada vez mais irreconhecível.

Sem dona Joanita, o passado acabou de partir.

Blog do Tião Lucena


  Compartilhe por aí: 1 Comentário

1
Deixe um comentário

avatar
1 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
1 Comment authors
Rosilene Leonardo da Silva Monteiro Recent comment authors
  Inscreva-se  
novos mais velhos mais votados
Notificar quando
Rosilene Leonardo da Silva Monteiro
Visitante
Rosilene Leonardo da Silva Monteiro

Que belo texto!Uma sensação de ter vivido as descrições de perto. Realmente precisa de alguém na mídia que valorize a cultura do presente e do passado. Porque a mídia que repudia a cultura, também ignora o valor das.pessoas.



Ir para a home do site
© TODOS OS DIREITOS RESERVADOS. É PROIBIDA A REPRODUÇAO PARCIAL OU TOTAL DESTE SITE SEM PRÉVIA AUTORIZAÇAO.
Desenvolvido por HotFix.com.br