“Os homens sábios usam as palavras para os seus próprios cálculos, e raciocinam com elas, mas elas são o dinheiro dos tolos”.

Thomas Hobbes (1588-1679), filósofo inglês, autor de Leviatã

seg
09
fev
2015

Os candidatos selecionados na primeira chamada do Programa Universidade para Todos (ProUni) têm até hoje (9) para comparecer às instituições de ensino, comprovar as informações prestadas na hora da inscrição e providenciar a matrícula.

Os candidatos devem verificar nas instituições os horários e o local ao qual deve comparecer. Entre os documentos a serem apresentados estão: de identificação, comprovante de residência, comprovante de rendimento e comprovante de conclusão do ensino médio. A lista completa está na pagina do ProUni.

No dia 19 será divulgado o resultado da segunda chamada. Aqueles que não forem selecionados poderão participar da lista de espera nos dias 2 e 3 de março.

O programa oferece bolsas no ensino superior privado com base nas notas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). Este ano, são ofertadas 213.113 bolsas – 135.616 integrais e 77.497 parciais. As bolsas são para 30.549 cursos, em 1.117 instituições de ensino superior privadas.

Esta edição recebeu mais de 1,5 milhão de inscrições. Os cursos com o maior número de inscrições foram administração, direito, pedagogia e engenharia civil.

Agência Brasil


  Compartilhe por aí: Comente

seg
09
fev
2015

ricardo marcelo

Os deputados estaduais que votaram no deputado Adriano Galdino (PSB) para a presidência da Assembleia Legislativa se mostram intrigados com um ato publicado na edição do último dia 31 de janeiro no Diário Oficial do Estado.

O citado ato, do então presidente da AL, deputado Ricardo Marcelo (PEN), autoriza a contratação, com dispensa de licitação, da empresa Visual Sistemas Eletrônicos Ltda., no valor de R$ 23.450,00.

O objeto do contrato é a “prestação dos serviços de manutenção no sistema eletrônico de votação desta Casa Legislativa”.

De acordo com o Cadastro Nacional da Pessoa Jurídica, do Ministério da Fazenda, a citada empresa também atua na fabricação de equipamentos de informática e no “desenvolvimento de programas de computador, sob encomenda”.

al

Paraíba Já


  Compartilhe por aí: Comente

seg
09
fev
2015

:

O Consórcio Internacional de Jornalistas de Investigação divulgou nesse domingo (8) documentos confidenciais sobre o ramo suíço do banco britânico HSBC, que revelam supostos esquemas de evasão fiscal.

A investigação, batizada "Swissleaks", revela documentos fornecidos por Hervé Falciani, ex-funcionário do HSBC em Genebra, ao jornal francês Le Monde e compartilhados com o consórcio e com jornalistas de mais de 40 países.

Os jornalistas analisaram cerca de 60 mil fichas, algumas das quais com informações que denunciam que o banco tinha conhecimento de práticas ilícitas de alguns clientes.

O Consórcio Internacional de Jornalistas de Investigação publica informações sobre 61 pessoa. Entre os nomes mencionados estão o rei de Marrocos, Mohammed VI; rei da Jordânia, Abdullah II, designer de moda Valentino; modelo Elle McPherson; ator Christian Slater; banqueiro Edouard Stern e motociclista Valentino Rossi.

A informação divulgada diz respeito a contas no valor de mais de US$ 100 bilhões, englobando 106 mil clientes de 203 países.

As informações foram compartilhadas pelo consórcio em seu site.

Apesar de expor esses documentos, o consórcio de jornalistas afirma que não pretende "sugerir ou presumir que quaisquer pessoas, empresas ou entidades mencionadas nos dados da informação revelada tenham violado a lei ou tido outro tipo de conduta imprópria".

A filial suíça do banco britânico HSBC Private Bank assegurou ter sofrido uma “transformação radical” após “descumprimentos verificados em 2007”, para evitar casos de fraude fiscal e de lavagem de dinheiro.

“O HSBC (da Suíça) fez uma transformação radical em 2008 para evitar que os seus serviços sejam utilizados para fraudar o fisco ou para a lavagem de dinheiro”, disse o diretor-geral da filial, Franco Morra, em comunicado enviado à agência de notícias France Presse.

Brasileiros

O banco também ajudou mais de 8,7 mil brasileiros a depositar US$ 7 bilhões em contas secretas na Suíça. Entre as personalidades figura o judeu libanês naturalizado brasileiro Edmond Safra.

Brasil 247 com informações da Agência Lusa


  Compartilhe por aí: Comente

dom
08
fev
2015


Aloysio e Ricardo Pereira

O ex-deputado estadual Aloysio Pereira vai comemorar seu aniversário de 92 anos no próximo dia 23, em Princesa Isabel, na companhia de amigos, familiares e aliados políticos.

Segundo Ricardo Pereira, amigo e sucessor do líder princesense, “a programação festiva deve ser definida até o fim da semana que se inicia”.


  Compartilhe por aí: Comente

dom
08
fev
2015

Está decretado: a marchinha de carnaval é Patrimônio Cultural de Natureza Imaterial. A declaração da prefeitura do Rio de Janeiro foi publicado na edição desta sexta-feira (6) do Diário Oficial do Município.

O presidente do Instituto Rio Patrimônio da Humanidade (IRPH), Washington Fajardo, disse que a declaração é um reconhecimento formal, importante para fortalecer a identidade cultural da sociedade, já que o gênero musical, segundo ele, é o mais característico do carnaval carioca e é cantado em qualquer lugar do país.

EBC


  Compartilhe por aí: Comente

dom
08
fev
2015

“Vamos sentar na segunda-feira para produzirmos um acordo com Marcelo Castro, Danilo Forte e Lúcio Vieira Lima para que revezemos a Liderança do PMDB nos próximos quatro anos gerando assim as condições de vitória na disputa em curso”, revelou o deputado federal Manoel Júnior considerando muito provável a consolidação desta estratégia com os quatro concorrentes.

Conforme explicou, com esse acordo eles conseguem a quantidade de votos consolidando maioria e vitória no processo contra o deputado federal do Rio, Picciani, que não aceitou promover uma negociação proposta pelo presidente da Câmara Federal, Eduardo Cunha.

WSCOM Online


  Compartilhe por aí: 1 Comentário

dom
08
fev
2015

O Governo do Estado, por meio do Programa Caminhos da Paraíba, tirou mais um município do isolamento asfáltico. Na sexta-feira (6), o governador Ricardo Coutinho inaugurou a rodovia PB-276, ligando os municípios de São José do Bonfim à Mãe D´Água, numa extensão de 20,5 km, cortando a Serra de Teixeira. Foram investidos R$ 14,3 milhões na obra que beneficia diretamente cerca de 7,5 mil pessoas.

Recepcionado pela prefeita Margarida Maria Soares, pelo ex-deputado estadual Monaci Marques e pela população de Mãe D’Água, o governador Ricardo Coutinho destacou a sua alegria em entregar mais duas estradas que retiraram os municípios de São José de Espinharas e Mãe D´Água do isolamento. “Iniciamos o governo com 54 cidades sem acesso por asfalto e até o final de junho queremos retirar todos os municípios do isolamento. Os paraibanos dos municípios pequenos tinham esse direito”, afirmou.

Há mais de 50 anos, a população de Mãe D’Água reivindicava a pavimentação da estrada. Para se chegar ao município era preciso enfrentar muita poeira e uma estrada de barro entre grandes serras que tornava a viagem bastante perigosa.  O município é o 29º a sair do isolamento asfáltico dentro do Programa Caminhos da Paraíba, executado pelo Departamento de Estradas de Rodagm (DER).

O diretor de Obras do DER, Hélio Cunha Lima, destacou que a Paraíba está se tornando  um Estado mais justo e preparado para o desenvolvimento do seu comércio e da sua indústria. “Estamos num ritmo intenso de trabalho e já entregamos mais de 1200 km de estradas, estamos construindo mais 1200 km. Nossa meta é até o final do mandato construirmos mais de 3.600 km de novas estradas”, completou Hélio.

O ex-prefeito de Mãe D’Água, Zé Tota,  lembrou uma citação do ex-presidente Washington Luiz de que “governar é abrir estradas”, destacando que o governador Ricardo Coutinho cumpre à risca essa frase com o espírito público e a coragem de lembrar dos pequenos municípios. “O governador Ricardo realiza o sonho do meu pai Antônio Tota, que dá nome a estrada, e a todos os moradores que viviam esquecidos nesta cidade linda e acolhedora. Agora estamos mais próximos de Patos, de Teixeira e de toda a Paraíba”, declarou.

O aposentado Afonso Ferreira de Oliveira lembrou que desde 1950 os governantes prometiam essa estrada. “Tenho lembranças tristes dessa estrada, pois em 1956 perdi a minha mãe em um acidente quando ia para Patos dar à luz a um filho. Foram longos anos de promessas, mas graças a Deus e ao governador Ricardo a estrada hoje é uma realidade e nos dará um futuro mais próspero”, comemorou.

Secom-PB


  Compartilhe por aí: 1 Comentário

dom
08
fev
2015

:

Empresa contratada pela Petrobras para construir sondas e plataformas no Brasil corre o risco de fechar, deixando um rombo de R$ 28 bilhões; socorro estava prestes a ser assinado pelo BNDES e pelo Banco do Brasil, mas foi adiado após o vazamento da delação premiada de Pedro Barusco, ex-gerente da Petrobras, em que ele disse receber propinas de empreiteiras também no período em que atuou na Sete Brasil, empresa que é símbolo da política de conteúdo nacional no pré-sal; se a Sete quebrar, diversos estaleiros que dela dependem também afundarão

247 – Um dos possíveis desdobramentos da Operação Lava Jato, o colapso da empresa Sete Brasil, pode significar o fim melancólico da indústria naval brasileira. Citada na delação premiada de Pedro Barusco, ex-gerente-executivo da Petrobras, como empresa envolvida no pagamento de propinas, a Sete, controlada pelo BTG Pactual, do banqueiro André Esteves, foi contratada pela Petrobras para fornecer sondas e plataformas. Com os contratos, subcontratou diversos estaleiros, que foram formados no Brasil, com empresas daqui e de fora, para dar impulso à política de conteúdo nacional nos equipamentos comprados pela Petrobras.

Agora, sem crédito e com a reputação manchada pela Lava Jato, a Sete Brasil pode fechar, gerando uma onda de calotes em toda a cadeia da nova indústria naval brasileira. De acordo com o cenário traçado pela própria companhia, traçado pelo presidente-executivo Luiz Orlando Carneiro, a situação é crítica as perdas potenciais com o colapso da empresa chegariam a R$ 28 bilhões. O mais grave, no entanto, seria a eliminação de 150 mil empregos na indústria naval.

Diante desse cenário, o governo federal vinha negociando um grande empréstimo do BNDES e do Banco do Brasil para a companhia. A operação, no entanto, foi abortada na semana passada, quando Barusco, que recolhia propinas na Petrobras, admitiu receber pagamentos ilícitos de empreiteiras também na Sete Brasil.

Reportagem da jornalista Josette Goulart, do jornal Estado de S. Paulo, aponta que as perdas seriam gigantescas. Os bancos credores têm US$ 4,3 bilhões a receber, mas a empresa não possui ativos – a não ser os contratos com a Petrobras. Os acionistas, que incluem ainda vários fundos de pensão estatais, levariam um tombo de R$ 8,3 bilhões. O FI-FGTS aportou R$ 2,5 bilhões na companhia e os estaleiros, liderados por empresas nacionais, já aportaram R$ 5,5 bilhões nos projetos.

Na festa de 35 anos do PT, a presidente Dilma Rousseff afirmou que a política de conteúdo nacional no pré-sal será mantida e, muito provavelmente, o novo presidente da Petrobras, Aldemir Bendine, tentará encaminhar uma solução para a Sete Brasil.

Brasil 247


  Compartilhe por aí: Comente

dom
08
fev
2015

Trocolli reclama que PMDB ainda não tem espaço que merece no Governo
Trocolli aguarda definição do partido

O deputado estadual Trocolli Júnior (PMDB) disse que o seu partido ainda não teve nenhum espaço relevante no governo do Estado para ter “o respeito que ele merece” e afirmou que pode até ocupar uma pasta na gestão, caso seja “a vontade do partido". Trocolli lembrou, contudo, que o PMDB tem outros três deputados, Raniery Paulino, Nabor Wanderley e Gervásio Maia que podem ocupar pastas no governo de Ricardo Coutinho (PSB).

“Não sou oferecido, tem outros grandes nomes no PMDB que podem ocupar cargos, mas quem me conhece sabe que sou trabalhador”, destaca. “Sou muito feliz na Assembleia e se qualquer outro colega quiser ir, Raniery, Nabor, Gervásio… minha missão partidária é trabalhar. Estarei pronto para mostrar a força do PMDB não só na Paraíba, mas em Brasília, apresentando bons projetos”, diz.

Quanto aos cargos no governo, Trocolli não descartou, afirmando que esta definição vai depender do partido e do governador. “Vamos nos reunir amanhã, tudo indica, para decidir que passos tomar enquanto PMDB na Assembleia Legislativa. Decisão que vamos tomar com muita maturidade e sem pressa, mas partidária”, disse.

ParlamentoPB


  Compartilhe por aí: Comente

dom
08
fev
2015

A partir das 9h de segunda-feira (9), 160.715 contribuintes saberão que foram excluídos da malha fina. A Receita Federal liberará a consulta aos lotes residuais do Imposto de Renda Pessoa Física das declarações de 2008 (ano-base 2007) a 2014 (ano-base 2013).

Ao todo, a Receita pagará R$ 300 milhões. As restituições terão correção de 9,11%, relativa às declarações de 2014, a 66,69%, para as declarações de 2008. Os índices equivalem à taxa Selic – juros básicos da economia – acumulada entre o mês de entrega da declaração até este mês.

A relação dos contribuintes estará disponível na página da Receita Federal na internet. A consulta também pode ser feita pelo telefone 146 ou nos aplicativos da Receita Federal para tablets e smartphones.

Caso o valor não seja creditado nas contas informadas na declaração, o contribuinte deverá receber o dinheiro em qualquer agência do Banco do Brasil. Também é possível ligar para os telefones 4004-0001 (capitais), 0800-729-0001 (demais localidades) e 0800-729-0088 (telefone especial exclusivo para deficientes auditivos) para agendar o crédito em conta-corrente ou poupança, no nome do declarante, em qualquer banco.

Confira o detalhamento do número de contribuintes beneficiados e os índices de correção para cada ano:

Lote de restituição da malha fina do Imposto de Renda

Receita Federal


  Compartilhe por aí: Comente

sáb
07
fev
2015

AGENDA POSITIVA (RICARDO PEREIRA)DSC09178

O secretário executivo do Orçamento Democrático Estadual (ODE), Givanildo Pereira, faz participação especial no programa radiofônico Agenda Positiva deste sábado (7)

Segundo Ricardo Pereira, âncora do programa, “o secretário Givanildo vai falar sobre a programação do ciclo 2015 do ODE, além de divulgar o calendário das audiências regionais, as inovações feitas com o objetivo de aproximar, ainda mais, a população do governo, inclusive com novas ferramentas tecnológicas para facilitar a elaboração das demandas indicadas pelas comunidades”.

O programa,que vai ao ar ao vivo das 13h às 14h, pode ser acompanhado também pela internet no site da emissora (www.radioprincesa970.com)


  Compartilhe por aí: Comente

sáb
07
fev
2015

:

Gravação registra diálogo entre o ministro do Supremo Tribunal Federal e o ex-governador de Mato Grosso, Silval Barbosa, do PMDB, que havia sido implicado na Operação Ararath, da Polícia Federal; Barbosa chegou a ser detido pela Polícia Federal porque tinha porte de arma vencido;  "E é com isso que fizeram a busca e apreensão aqui em casa", disse o então governador; "Que absurdo! Eu vou lá. Depois, se for o caso, a gente conversa", disse Gilmar, que prometeu procurar o ministro Dias Toffoli, que havia autorizado a batida policial; assim como o ministro do STF, outro que caiu no grampo da PF foi o próprio ministro José Eduardo Cardozo, que também ligou para Silval Barbosa

247 – Uma reportagem do jornalista Filipe Coutinho, da revista Época (leia aqui a íntegra), revela que o ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal, telefonou para o ex-governador Silval Barbosa, de Mato Grosso, quando este era investigado pelo próprio STF e também alvo de mandatos de busca e apreensão em sua residência. Eis um trecho do diálogo:

Silval Barbosa: E é com isso que fizeram a busca e apreensão aqui em casa.

Gilmar Mendes: Meu Deus do céu!

Silval Barbosa: É!

Gilmar Mendes: Que absurdo! Eu vou lá. Depois, se for o caso, a gente conversa.

Silval Barbosa: Tá bom, então, ministro. Obrigado pela atenção!

Gilmar Mendes: Um abraço aí de solidariedade!

Silval Barbosa: Tá, obrigado, ministro! Tchau!

Leia, abaixo, um trecho da reportagem de Filipe Coutinho:

Em 15 de maio do ano passado, o Supremo Tribunal Federal, a pedido da Procuradoria-­Geral da República, autorizou a Polícia Federal a vasculhar a residência do então governador de Mato Grosso, Silval Barbosa, do PMDB, à cata de provas sobre a participação dele num esquema de corrupção.

Cinco dias depois, uma equipe da PF amanheceu no duplex do governador, em Cuiabá. Na batida, os policiais acabaram descobrindo que Silval Barbosa guardava uma pistola 380, três carregadores e 53 munições. Como o registro da arma vencera havia quatro anos, a PF prendeu o governador em flagrante. Horas mais tarde, Silval Barbosa pagou fiança de R$ 100 mil e saiu da prisão.

Naquele momento, o caso já estava no noticiário. Às 17h15, o governador recebeu um telefonema de Brasília. Vinha do mesmo Supremo que autorizara a operação.

“Governador Silval Barbosa? O ministro Gilmar Mendes gostaria de falar com o senhor, posso transferi-lo?”, diz um rapaz, ligando diretamente do gabinete do ministro. “Positivo”, diz o governador.

Ouve-se a tradicional e irritante musiquinha de elevador. “Ilustre ministro”, diz Silval Barbosa. Gilmar Mendes, que nasceu em Mato Grosso, parece surpreso com a situação de Silval Barbosa: “Governador, que confusão é essa?”.

Começavam ali dois minutos de um telefonema classificado pela PF como “relevante” às investigações. O diálogo foi interceptado com autorização do próprio Supremo – era o telefone do governador que estava sob vigilância da polícia. Na conversa, Silval Barbosa explica as circunstâncias da prisão. “Que loucura!”, diz Gilmar Mendes, duas vezes, ao governador (leia ao lado um trecho da transcrição da conversa). Silval Barbosa narra vagamente as acusações de corrupção que pesam contra ele. Gilmar Mendes diz a Silval Barbosa que conversará com o ministro Dias Toffoli, relator do caso. Fora Toffoli quem, dias antes, autorizara a batida na casa do governador.  Segue-se o seguinte diálogo:

Silval Barbosa: E é com isso que fizeram a busca e apreensão aqui em casa.

Gilmar Mendes: Meu Deus do céu!

Silval Barbosa: É!

Gilmar Mendes: Que absurdo! Eu vou lá. Depois, se for o caso, a gente conversa.

Silval Barbosa: Tá bom, então, ministro. Obrigado pela atenção!

Gilmar Mendes: Um abraço aí de solidariedade!

Silval Barbosa: Tá, obrigado, ministro! Tchau!

Meia hora após o telefonema de Gilmar Mendes, foi a vez de o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, ligar para Silval Barbosa. Isso mesmo: o chefe da PF foi interceptado… num grampo da PF. A secretária avisa: “Governador, é o ministro da Justiça”. Curiosamente, a conversa começa quase idêntica à anterior. “Que confusão, hein, governador?”, diz Cardozo. Silval Barbosa repete o que dissera a Gilmar Mendes sobre as acusações de corrupção. “Barbaridade!”, diz Cardozo. Silval Barbosa diz ao ministro que tinha uma arma com registro vencido. Cardozo responde: “Muita gente não sabe disso, viu, Silval?”, diz o ministro sobre as regras de renovação de porte. Cardozo ainda diz “que loucura” quando o governador critica o fato de a investigação ser tocada no Supremo, foro do ex-governador e atual senador Blairo Maggi, um dos investigados, e não no Superior Tribunal de Justiça, foro de Silval Barbosa. A conversa prossegue – em determinado momento, Silval Barbosa é chamado de “mestre” por Cardozo.  “O pessoal da PF se comportou direitinho com você? (…) Eu queria saber muito se a PF tinha feito alguma arbitrariedade”, diz Cardozo. “Fizeram o trabalho deles na maior educação, tranquilo”, afirma o investigado. “Qualquer coisa me liga, tá, Silval?”, diz o ministro da Justiça.

ÉPOCA teve acesso com exclusividade à íntegra do inquérito relatado por Dias Toffoli. É lá que se encontram os áudios transcritos nestas páginas (ouça em epoca.com.br) – e as provas do caso. O inquérito foi batizado com o nome de Operação Ararath – uma referência bíblica ao monte da história de Noé, na qual só os policiais parecem encontrar sentido. Iniciada em 2013, a investigação da PF e do Ministério Público Federal desmontara um esquema de lavagem de dinheiro, crimes contra o sistema financeiro e corrupção política no topo do governo de Mato Grosso. O caso subiu ao Supremo quando um dos principais operadores da quadrilha topou uma delação premiada. Entregou o governador e seus aliados, assim como comprovantes bancários. No dia em que Silval Barbosa foi preso, a PF também fez batidas em outros locais. Apreendeu documentos que viriam a reforçar as evidências já obtidas.

Brasil 247


  Compartilhe por aí: 1 Comentário